O segredo para perder a gordura abdominal

O segredo para perder a gordura abdominal

Os alimentos que estimulam uma grande produção de insulina pelo pâncreas são os maiores responsáveis pelo acúmulo de gordura abdominal, levando ao desenvolvimento da resistência à insulina e, assim, ao diabetes.
A insulina é um hormônio fundamental para colocar a glicose dentro da célula para produzir energia. Entretanto, quando produzida em excesso, a insulina causa um grande desequilíbrio no organismo. Isso porque ela faz lipogênese (produção de gordura) na região abdominal e também aumenta o hormônio do apetite (grelina), além de diminuir o hormônio da saciedade (leptina), aumentando assim a compulsão alimentar.
O segredo para perder a tão odiada gordura abdominal é mais simples do que você imagina e está nos alimentos.

776158_83344282Alimentos que AUMENTAM a gordura abdominal

  • Carboidrato de alto índice glicêmico (farinha branca refinada e seus derivados, açúcar, e doces em geral), porque necessitam de muita insulina;
  • Carboidrato de alto e baixo índice glicêmico em quantidade exagerada numa mesma refeição, pois produz excesso de insulina;
  • Gordura trans (biscoito recheado, pipoca de micro-ondas, bolo industrializado, etc.);
  • Gordura saturada em excesso (carnes gordas, pele de frango, salame, linguiça, manteiga, bacon, etc.)

Alimentos que REDUZEM a gordura abdominal

  • Carboidrato de baixo índice glicêmico em quantidade moderada (pão integral, hortaliças, frutas, cereais integrais, grãos, etc.), pois produz nível adequado de insulina;
  • Gordura monoinsaturada em quantidade moderada (azeite de oliva extra virgem, amêndoa, castanhas, nozes, etc.);
  • Gordura poli-insaturada em quantidade moderada (salmão, atum, sardinha, chia, linhaça, etc.);
  • Antioxidantes (vitamina C, vitamina E, selênio, zinco, betacaroteno, licopeno, antocianina, flavonoides, etc.). A gordura abdominal produz citocinas (substâncias inflamatórias) que oxidam as células e os antioxidantes vão protegê-las.

Fontes de antioxidantes

  • Vitamina C (laranja, tangerina, abacaxi, morango, vegetal verde escuro, etc.);
  • Vitamina E (azeite de oliva, óleo vegetal, oleaginosas, abacate, etc.);
  • Selênio (castanha do Pará, uma grande fonte);
  • Zinco (nozes, frango, feijão, etc.);
  • Betacaroteno (cenoura, mamão, abóbora, vegetal verde escuro, etc.);
  • Licopeno (tomate, melancia, goiaba, etc.);
  • Antocianina (açaí, berinjela, cebola roxa, repolho roxo, etc.);
  • Flavonoides (uva, cebola, chá verde, cacau, etc.).