Solidão, um problema

Solidão, um problema

O The New York Times, um dos jornais mais importantes do mundo, publicou um ensaio interessante sobre a solidão, baseado nas obras do psicólogo John Cacioppo, da Universidade de Chicago (EUA), e outros nomes importantes da área, como Lisa Jaremka, da Universidade de Ohio.

No ensaio, Cacioppo compara a solidão “à hipertensão, à obesidade, ao sedentarismo e ao tabagismo”. Em um dos experimentos do autor, citado no texto, ele percebeu que as pessoas solitárias comem mais biscoitos do que aquelas que se sentiam socialmente aceitos. Segundo ele os solitários geralmente usam como “cano de escape” a comida, a bebida e até mesmo o sexo.

Já um estudo holandês – publicado na “The Journal of Neurology, Neurosurgery & Psychiatry” – relacionou a solidão ao maior desenvolvimento de demência. Pessoas solitárias teriam maior propensão à doença.

A Estância do Lago Spa entende que a solidão, junto com a depressão, é um problema da contemporaneidade. Por isso acha que para viver a vida plenamente é necessário procurar tratamento psicológico e psiquiátrico.  É muito importante também criar uma rede de relacionamento real, em que haja toque, conversa e troca de carinho.

Outra maneira de fugir da solidão participar de encontros, grupos, festas e até arrumar um animalzinho de estimação.

Veja também: A alegria contagia